ARQUÉTIPOS: Cada pessoa é uma multidão



Para entender o que são arquétipos primeiro temos que passar pelo conceito de inconsciente coletivo e para entender esse, vamos relembrar aquele conceito que todo mundo já conhece um pouco, o inconsciente, aquele do nosso querido Freud.


#Inconsciente
Para Freud, o inconsciente é um espaço que concentra os conteúdos esquecidos e recalcados. No inconsciente estão os elementos não acessíveis a consciência (tudo aquilo que estamos cientes num dado momento). Os materiais que são excluídos pela nossa consciência são guardados no nosso inconsciente (não é esquecido nem perdido!). E tudo isso é de natureza estritamente pessoal.




#Inconsciente Coletivo
Já o inconsciente coletivo é um conceito expressado por C.G. Jung, que o define como tendo conteúdos e comportamentos que são os mesmos em toda a parte e em todas as pessoas, idênticos para todos. E tudo isso é de natureza, então, universal.




Podemos identificar arquétipos em tudo: no cinema, nos filmes, na música, na publicidade, nos debates políticos, nas marcas, nas organizações e mais onde a nossa imaginação possa chegar.
O consumo, por exemplo, está fortemente influenciado pelos arquétipos. Ao consumirmos determinados produtos e serviços buscamos –inconscientemente- aquilo que possa nos dar um significado, que ativem nossos sentimentos e nos despertem um sentido. Por conta disto, os arquétipos são muito utilizados pelas empresas, para atingir o consumidor de um modo diferente, sabendo que seu produto traz um significado e um símbolo que ele se identifica e motiva seus sentimentos.




#1 O Inocente: Utopia, pureza, bondade, esperança, redenção, paraíso são algumas das características inerentes quando o Inocente está ativo em uma pessoa. O lema é: “Somos livres para ser você e eu”. Dá para perceber facilmente este arquétipo num carro Fusquinha, por exemplo.

#2 O Explorador: Novas experiências, busca de identidade, liberdade, possibilidades, autodescoberta são as características de um explorador. O lema é: “Não levante cercas à minha volta”.

#3 O Sábio: Inteligência, sabedoria, aprendizado, informação. Esse é o arquétipo do sábio e o seu lema é “A verdade libertará você”.

#4 O Herói: Coragem, desafios, energia, disciplina, foco, determinação, missões. Esse é o arquétipo herói, cujo lema é “Onde há vontade, há um caminho”. Consegue ver semelhança com as propagandas da Nike?

#5 O Fora-da-Lei: Chocar, desafiar os outros, rebelde, revolucionário. O Fora-da-lei normalmente sente-se marginalizado ou se identifica como tal, por seus valores ou atitudes se diferenciarem do padrão comum da sociedade. O lema é “As regras foram feitas para serem quebradas”.

#6 O Mago: Xamã, curandeiro, bruxo, alquimista, cientistas, gurus são imagens comumente associadas a este arquétipo. O desejo principal desse tipo é procurar leis fundamentais que governam o funcionamento das coisas e aplica-las para que as coisas aconteçam, motivados pela oportunidade de transformação das pessoas e de si mesmo. O lema é “Pode acontecer!”.

#7 O Amante: Intimidade, apreciação, atração, prazer, compartilhar segredos, parceria, são algumas das características inerentes a este arquétipo. O lema é “Só tenho olhos para você”.

#8 O Prestativo: Cuidado, cuidar de si, cuidar dos outros, altruísmo, preocupação com o mundo como um todo, empatia são os elementos que podem estar presente quando o arquétipo Prestativo está ativo. O lema é “Ama teu próximo como a ti mesmo”.

#9 O Criador: Criatividade, auto-expressão, escolhas, opções, inovações, faça-você-mesmo são características relacionadas a este arquétipo. Seu lema é “Se puder ser imaginado, poderá ser criado”.

#10 O Governante: Estilo dominador e autoritário. Assumir o controle. Agir conforme as regras. Poder. Regulação e proteção. Esse é o Arquétipo do Governante e seu lema é “O poder não é tudo... é só o que importa”.

#11 O Bobo da Corte: Alegria, viver o momento presente, diversão, brincar, fazer piadas, ser engraçado, “bancar o bobo”. Características ativas neste arquétipo, cujo lema é “Se eu não puder dançar, não quero tomar parte na sua revolução”. Skol e Pepsi conhecem muito bem este arquétipo.

#12 O Cara Comum: Ser igual a todos, ser comum. O desejo básico é conexão com os outros, pertencer. Não tem o desejo de ser especial, de ser diferente, e sim de se fundir-se. O importante não é impressionar o outro. Simplicidade. Seu lema é “Todos os homens e mulheres são criados iguais”.

Agora que já conhecemos um pouquinho de cada arquétipo é importante destacar que, através de pesquisas bem estruturadas as empresas podem desenvolver ou identificar qual o arquétipo é melhor para a marca, aquele que realmente vai dar significado para os seus consumidores e que proporcionará um valor intangível para o produto ou serviço. 


Qual é o arquétipo que as pessoas associam à sua marca? 
Será que dentro do seu ramo, todas as empresas estão expressando o mesmo arquétipo que você? 
Será que é necessário um novo arquétipo?

Se seu produto não acrescenta ou não dá um significado especial para o seu cliente, eles em algum momento deixarão de buscá-lo. Agora se você conhece bem os seus consumidores e suas necessidades e desejos (e os arquétipos são uma ótima ferramenta para isso) você consegue satisfazer as necessidades e acrescentá-los, permitindo que você possa preservar-alimentar-nutrir sua marca ao longo do tempo. 

Este artigo foi escrito por nossa analista de pesquisa Gaia Ricacheneisky,
Graduada em Ciências Econômicas pela PUC-RS.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Os stakeholders e as marcas

Pesquisa Eleitoral - Prefeitura de Porto Alegre - Setembro 2015